Ana Jotta

(Lisboa, 1946) Vive e trabalha em Lisboa.

Após ter frequentado a ESBAL – Escola de Belas Artes de Lisboa, ingressou na École de Arts Visuels et d´Architecture de l´Abbaye de la Cambre, Bruxelas (1965-68). Depois um longa experiência no teatro como actriz (entre 1969 e 1980), concentra a sua actividade nas artes visuais.

Considerando-se acima de tudo uma pintora, a artista atinge os seus materiais das mais variadas fontes: artísticas – desde importantes referências da arte moderna e contemporânea (Hopper, Picabia, Klee, Broodthaers, etc.), até aos pintores amadores –, ou do quotidiano e da cultura popular, que são alvo sucessivamente das mais variadas apropriações e intervenções.

Expõe regularmente desde 1979, entre as suas exposições individuais destacam-se: “Exposição #1”, Culturgest (Lisboa, 2009); “S/he is her/e”, Chiado 8 (Lisboa, 2008), e a retrospectiva “Rua Ana Jotta. Retrospectiva” no Museu de Serralves (Porto, 2005), entre outras. Das exposições colectivas destacam-se: “O consolo da pintura“, Companhia de Seguros Tranquilidade, Lisboa (2011); “89 Km – Colecció CGAC”, MARCO – Museu de Arte Contemporânea de Vigo (Espanha, 2010); “Multiple Directions”, MNAC – Museo do Chiado (Lisboa, 2008); “Anos 80, uma topologia” Museu de Serralves (2007); “En Voyage, Le Plateau”: FRAC – Île de France, Paris (2006); Lis81 (Lisboa) e Lis79 (Lisboa). É convidada para a Primeira Bienal de Joanesburgo em 1995 e é presença assídua do ARCO (Madrid) desde 1992. O seu trabalho é frequentemente exposto nas galerias Alda Cortez (Lisboa), EMI-Valentin Carvalho (Lisboa), João Esteves de Oliveira (Lisboa), entre outras.

O seu trabalho está representado em colecções públicas e privadas, nomeadamente: Ar.Co – Centro de Arte e Comunicação Visual, Lisboa; Caixa Geral de Depósitos, Lisboa; CAM – Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; Fundación ARCO, Madrid; Fundação EDP, Lisboa; FLAD – Fundação Luso-Americana, Lisboa; Museu de Serralves, Porto.

Top